cuidados com flores e plantas

Como funciona o fertilizante? Nutrientes vegetais simplificados

O fertilizante pode fazer uma enorme diferença para o crescimento e a saúde de suas plantas. Mas, além de seguir as instruções no rótulo e aguardar resultados, como o fertilizante funciona? Este artigo explicará como os fertilizantes ajudam as plantas a crescer, o que cada um dos componentes individuais faz e como usá-las com segurança e eficácia.

Como funciona o fertilizante? O fertilizante é um suplemento que contém nutrientes essenciais para os processos metabólicos básicos das plantas. O fertilizante é aplicado ao solo ou pulverizado nas partes folhosas da planta. Os nutrientes são então absorvidos pela planta através de suas raízes ou folhas e direcionam todos os processos que ocorrem dentro das células.

Falar sobre fertilizantes pode se tornar um tópico demorado, pois possui muitos detalhes, mas é importante entender o básico sobre o que é fertilizante, por que as plantas precisam de fertilizantes e como escolher e aplicar o melhor tipo de fertilizante para suas necessidades. Conhecer esses fundamentos ajudará você a usar os fertilizantes corretamente e a obter o crescimento ideal de suas plantas.

O que é fertilizante?

Por definição, um fertilizante é uma substância, natural ou sintética, aplicada ao solo ou diretamente aos tecidos das plantas para fornecer um ou mais nutrientes. O objetivo dos fertilizantes é complementar a nutrição das plantas e promover o crescimento das plantas.

Os fertilizantes vêm em muitas formas diferentes, variando de dejetos de animais (isto é, adubos) a resíduos de cozinha e quintal altamente decompostos, a uma infinidade de produtos disponíveis comercialmente.

como funciona o fertilizante

Por que as plantas precisam de fertilizantes?

Não importa que tipo de planta você esteja cultivando, ela possui certos nutrientes necessários para o crescimento das plantas. Cada um desses nutrientes é necessário em quantidades variadas e possui uma faixa na qual ocorre o crescimento ideal; muito pouco causa problemas de deficiência e muito causa toxicidade.

Esses nutrientes auxiliam nas funções celulares básicas da planta, impulsionando o crescimento e são conhecidos como nutrientes essenciais da planta. Se algum dos nutrientes essenciais for encontrado em quantidades limitadas ou estiver faltando completamente, isso afetará o crescimento geral das plantas, mesmo que todos os outros nutrientes estejam disponíveis em quantidades adequadas.

Esses nutrientes essenciais das plantas são encontrados naturalmente no solo, em quantidades variadas, dependendo do material original, do conteúdo de matéria orgânica, do clima local etc. Em muitos casos, os nutrientes também são adicionados aos solos de envasamento comercial durante a fabricação.

Com o tempo, esses níveis de nutrientes – tanto nos solos dos jardins quanto nas misturas de vasos – diminuem ou se esgotam porque são absorvidos e usados ​​pelas plantas ou são lixiviados do solo. Quando esses nutrientes essenciais das plantas atingem níveis baixos, torna-se necessário adicioná-los de volta ao solo na forma de fertilizantes para obter o crescimento ideal das plantas.

Eu escrevi outro artigo que aborda como fertilizar plantas de interior e todas as informações necessárias para escolher um fertilizante apropriado para suas plantas.

Como funciona o fertilizante: o papel dos nutrientes individuais

o nutrientes essenciais da planta são divididos em diferentes classificações com base na quantidade relativa necessária para as plantas. Na classificação mais simples, os nutrientes são conhecidos como macronutrientes ou micronutrientes.

Macronutrientes

Necessários em quantidades maiores nas plantas (daí o « macro »), os macronutrientes costumam estar envolvidos em grandes processos como a fotossíntese e a respiração ou servem como componentes estruturais essenciais nas células. Os macronutrientes essenciais das plantas incluem nitrogênio, fósforo e potássio – também conhecidos como macronutrientes primários – e cálcio, magnésio e enxofre (os macronutrientes secundários).

O que o nitrogênio faz pelas plantas?

O nitrogênio é provavelmente o nutriente mais conhecido necessário para o crescimento das plantas, e com razão, uma vez que é necessário na maior quantidade. O papel principal do nitrogênio é regular o crescimento vegetativo. É também um componente de aminoácidos e clorofila e ajuda a completar muitas reações enzimáticas na planta.

O que o fósforo faz pelas plantas?

O fósforo é um componente estrutural do DNA e RNA, que carrega informações genéticas nas células. Por esse motivo, é importante no crescimento e floração das raízes – ambos os processos em que novas células são formadas e diferenciadas em partes específicas da planta.

O que o potássio faz pelas plantas?

O potássio tem um papel mais indireto dentro das plantas, comparado ao nitrogênio e fósforo. Em vez de funcionar como um componente estrutural, o potássio ativa reações enzimáticas necessárias para o crescimento e a saúde geral das plantas.

O que o cálcio faz pelas plantas?

O cálcio, na forma de pectato de cálcio, é um componente essencial das paredes celulares, ajudando-os a formar e permanecer forte. O cálcio também está envolvido em vários processos enzimáticos e metabólicos importantes. Quando o cálcio não estiver disponível em quantidades suficientemente altas, o novo crescimento terá uma forma irregular ou desfigurada. Plantas deficientes em cálcio também são menos resistentes ao calor, à seca e a pragas.

O que o magnésio faz pelas plantas?

A principal função do magnésio é ajudar a plantas a fotossintetizar. É necessário que muitas enzimas envolvidas funcionem adequadamente, mas seu papel mais importante é servir como a molécula estrutural estrutural que forma a clorofila.

O que o enxofre faz pelas plantas?

Comparado aos outros macronutrientes, o enxofre é necessário apenas em pequenas quantidades, mas isso não reduz sua importância. À medida que ocorrem processos metabólicos dentro da planta, o enxofre é decomposto em formas usadas para construir moléculas orgânicas, como vitaminas e compostos odoríferos bem conhecidos na cebola e no alho.

plantas de casa e uma seleção de fertilizantes

Micronutrientes

Os micronutrientes essenciais das plantas – ferro, manganês, cobre, molibdênio, zinco, níquel, boro e cloro – são necessários em quantidades muito menores nas plantas, mas suas funções são tão importantes quanto os macronutrientes necessários em grandes quantidades. Muitos deles ativam reações enzimáticas, por isso é importante que sua planta receba a proporção correta de micronutrientes quando fertilizados.

O que o ferro faz pelas plantas?

O ferro é um componente de muitas enzimas que desempenham um papel na produção de clorofila, tornando-o essencial para a fotossíntese. Também influencia a transferência de energia dentro da planta e ajuda na formação de lignina, bem como na redução e fixação de nitrogênio.

O que o manganês faz pelas plantas?

O manganês ajuda a produzir cloroplastos, as organelas nas células vegetais, onde é realizada a fotossíntese. Também influencia a germinação das sementes e a maturidade das culturas.

O que o cobre faz pelas plantas?

O cobre ativa enzimas envolvidas na produção de lignina; as ligninas fornecem estrutura e rigidez nas células vegetais. Também é essencial na fotossíntese, na respiração das plantas e no metabolismo de carboidratos e proteínas.

O que o molibdênio faz pelas plantas?

O molibdênio é um componente essencial de duas enzimas diferentes usadas no metabolismo do nitrogênio, o processo que leva o nitrato e, através de uma série de etapas, o converte em amônia para ser usado na síntese de aminoácidos. Também é fundamental que as bactérias simbióticas fixadoras de nitrogênio nas leguminosas permitam que elas utilizem nitrogênio da atmosfera para uso das plantas.

O que o zinco faz pelas plantas?

O zinco é um componente de muitas enzimas e também ajuda no equilíbrio e na atividade hormonal das plantas, especialmente nas auxinas.

O que o níquel faz pelas plantas?

O níquel é semelhante ao molibdênio em sua função, auxiliando no metabolismo e na fixação do nitrogênio. Em vez de converter nitrato, o níquel é um componente de enzimas que convertem o nitrogênio da uréia em amônia. De todos os nutrientes essenciais, é necessário na menor quantidade.

O que o boro faz pelas plantas?

O boro é importante: o movimento dos açúcares na planta, a produção de aminoácidos, a divisão celular, a floração e a frutificação.

O que o cloro faz pelas plantas?

O cloro ajuda a regular o turgor nas folhas das plantas, mantendo a pressão dentro dos componentes das células das plantas para manter as paredes das células rígidas. Também ajuda as plantas a resistir a doenças e auxilia na fotossíntese.

Escolhendo um fertilizante

Tentar escolher um fertilizante para usar em suas plantas pode parecer uma tarefa incrivelmente assustadora. Uma rápida caminhada pelo corredor de fertilizantes do centro de jardinagem local pode fazer você coçar a cabeça, maravilhado, nas prateleiras e prateleiras das opções disponíveis.

Para ajudar a tornar esse processo menos assustador, vamos falar primeiro sobre os rótulos de fertilizantes e depois explicaremos os diferentes tipos.

Compreendendo um rótulo de fertilizante

Quando você olha para o rótulo de fertilizantes, uma das primeiras coisas que percebe é um conjunto de três números, conhecido como a relação N-P-K. Como o nitrogênio, o fósforo e o potássio são necessários em quantidades maiores que os outros nutrientes essenciais da planta, eles são usados ​​como um método de rotulagem universal. Essa proporção permite aos consumidores comparar produtos facilmente entre si, uma vez que indica a porcentagem, em peso, dos três principais nutrientes do produto.

Para explicar melhor … vamos considerar uma formulação de fertilizante 10-10-10 – nitrogênio, fósforo e potássio representam 10% do peso final do produto. Portanto, uma sacola de 10 kg contém 1 kg de nitrogênio, 1 kg de fósforo (na forma de P2O5) e 1 kg de potássio (sob a forma de K2O).

tipos de fertilizante

Tipos de fertilizantes

Como o fertilizante funciona de maneira diferente, dependendo da formulação usada? Depois de entender o significado dos números no rótulo, fica muito mais fácil escolher um específico. A melhor maneira de abordar isso é começar pensando nos seguintes parâmetros básicos e determinando o que funciona melhor para suas plantas e suas preferências pessoais.

Para facilitar, começaremos com alguns conceitos muito amplos e depois trabalharemos para conceitos mais específicos …

Convencional versus orgânico

Primeiro, vamos falar sobre produtos convencionais versus produtos orgânicos, um tópico pelo qual os jardineiros podem ser muito apaixonados.

Os fertilizantes convencionais – também conhecidos como inorgânicos – são tipicamente formulados usando materiais sintéticos ou sintéticos (embora possam conter materiais naturais).

Benefícios dos fertilizantes convencionais:

  • Especialmente formulado para que os nutrientes estejam rapidamente disponíveis para as plantas. Isso significa que as deficiências das plantas são corrigidas rapidamente, reduzindo os efeitos a longo prazo em suas plantas.
  • Relativamente barato e prontamente disponível por causa da produção em massa.

Desvantagens de fertilizantes convencionais:

Os fertilizantes orgânicos, por outro lado, são completamente feitos de materiais naturais. Os produtos orgânicos normalmente consistem nos resíduos de organismos vivos ou nos restos decompostos de organismos que já foram vivos.

Benefícios dos fertilizantes orgânicos:

  • Os fertilizantes orgânicos são considerados mais ambientalmente sustentáveis. Eles exigem menos energia para a produção, resultando em menos emissões de gases de efeito estufa da fabricação.
  • Após a aplicação, os microorganismos no solo quebram os componentes do fertilizante, liberando os nutrientes para a absorção das plantas. Neste momento, a matéria orgânica também é adicionada ao solo, melhorando a estrutura do solo e aumentando a retenção de água no solo.

Desvantagens de fertilizantes orgânicos:

  • Leis de rotulagem ditar que a relação N-P-K listada no produto inclui apenas os nutrientes imediatamente disponíveis para a absorção das plantas. Muitos fertilizantes orgânicos têm componentes que são liberados ao longo do tempo; portanto, suas proporções são mais baixas e muitos consumidores acham que os produtos não são tão eficazes porque possuem menos nutrientes.

Liberação rápida versus liberação lenta

Agora vamos para a disponibilidade de nutrientes. A diferença nos fertilizantes de liberação rápida e lenta é quando os nutrientes estão disponíveis para a absorção das plantas.

Os fertilizantes de liberação rápida contêm nutrientes que estão imediatamente disponíveis para a absorção das plantas. Como mencionei ao discutir os fertilizantes convencionais, isso é bom, pois ajuda a corrigir rapidamente as deficiências, mas também aumenta a chance dos nutrientes liberarem do solo em fontes de água. Os fertilizantes de liberação rápida são geralmente produtos convencionais ou inorgânicos.

Os fertilizantes de liberação lenta contêm ingredientes que se decompõem lentamente, fornecendo uma fonte gradual de nutrientes para as plantas ao longo do tempo. Os fertilizantes orgânicos são de liberação lenta, mas os fertilizantes convencionais também podem ser formulados para liberar nutrientes lentamente.

Granulado versus solúvel em água

Os fertilizantes granulares são feitos misturando fontes de nutrientes secos e depois transformando o produto em grânulos para facilitar a aplicação. O produto final pode ser convencional ou orgânico, dependendo dos ingredientes utilizados. Os fertilizantes granulares convencionais podem ser formulações de liberação rápida ou lenta. também conhecido como fertilizantes secos.

Fertilizantes líquidos ou solúveis em água são fabricados em concentrações que são facilmente solúveis em água. Você dilui ou dissolve o concentrado em água na proporção correta e depois usa esta solução diluída para regar suas plantas. Eles se misturam de maneira fácil e completa, facilitando a fertilização das plantas, mas não estão disponíveis em fórmulas de liberação lenta.

fertilizante granulado vs solúvel em água

Para todos os fins versus especialidade

Por fim, nas classificações de fertilizantes, existem dois tipos à sua escolha: fertilizantes para uso geral e especiais.

Os fertilizantes para todos os fins são feitos para atender às necessidades da maioria das plantas e são uma boa opção durante uma estação de crescimento típica, se você não tiver condições de crescimento periféricas ou plantas atípicas. Eles geralmente contêm todos os três principais nutrientes (N, P e K) em níveis comparáveis ​​para atender às necessidades básicas das plantas.

Os fertilizantes especiais são projetados para atender às necessidades de tipos específicos de plantas (amantes de ácidos, suculentas, orquídeas etc.) ou podem ter um nutriente em uma quantidade consideravelmente maior. Os fertilizantes do tipo especial são úteis para plantas que possuem certas necessidades de micronutrientes que não são atendidas por alimentos para todos os fins, ou se requerem quantidades maiores de um determinado nutriente devido à maneira como a planta cresce.

Aplicação de fertilizantes

A fertilização de suas plantas visa ajudar e melhorar o crescimento das plantas quando há falta de nutrientes no solo ou na mistura de vasos. Não é uma cura para tudo o que aflige sua planta e precisa ser feito com cuidado.

Se aplicado incorretamente, os fertilizantes podem causar sérios problemas e possivelmente danificar permanentemente suas plantas. Quando o crescimento da planta é lento ou atrofiado, é importante que você avalie sua planta para outros problemas, como rega, iluminação ou temperatura, e verifique visualmente se pragas de insetos ou doenças Depois de descartar essas outras possíveis causas de baixo crescimento, é hora de tentar fertilizar suas plantas.

Porém, lembre-se de que os nutrientes essenciais das plantas são necessários pelas plantas dentro de um intervalo específico e é importante que você não fertilize demais e os « alimente » demais.

Diretrizes básicas

Não existe uma regra única para a aplicação de fertilizantes, devido à grande variação de produtos disponíveis para uso e à sua gama de concentrações de nutrientes. As taxas e a frequência de aplicativos dependem do próprio produto, enquanto você lembra dos seguintes inquilinos básicos:

  • Aplique fertilizantes na taxa e na frequência indicadas no rótulo do produto, ou mesmo em doses / horários menores. Este não é o caso em que, se um pouco de algo é bom, ainda mais é melhor. Super fertilizar suas plantas geralmente é mais prejudicial do que não lhes fornecer nutrientes suficientes.
  • Aplique fertilizantes quando as plantas estiverem crescendo ativamente e não estiverem adormecidas. Quando as temperaturas caem durante o período mais frio, o crescimento das plantas nos meses de inverno diminui e não é necessário fertilizante.
  • Sempre regue os fertilizantes no solo após a aplicação, independentemente de suas plantas estarem no solo ou plantadas em recipientes.
  • Não aplique fertilizantes quando suas plantas estiverem estressadas devido a recentes transplante / repottingou estão se recuperando de problemas com insetos ou doenças. Permita-lhes algumas semanas após esse evento antes de começar a fertilizar novamente.

Considerações Especiais

Como o fertilizante funciona em diferentes situações? Certas condições de cultivo requerem algumas considerações especiais quando se trata de aplicar fertilizantes. Isso ajuda a garantir que você não danifique suas plantas e que elas recebam todos os benefícios do aplicativo.

Plantio no Solo

  • Manter o pH adequado do solo. O pH do solo do jardim afeta muito a disponibilidade de nutrientes. À medida que o pH do solo se torna mais ácido ou mais básico / alcalino, muitos dos macronutrientes ficam indisponíveis para absorção, criando deficiências; ao mesmo tempo, os micronutrientes ficam mais disponíveis, aumentando as chances de toxicidade dos micronutrientes.

Envasamento solo

  • Aguarde 4-6 semanas após o plantio de suas plantas de contêiner para começar a fertilizar. Muitos solos comerciais de envasamento têm fertilizantes adicionados durante a fabricação; fertilizar antes que os nutrientes sejam esgotados dos meios de cultivo causará problemas de toxicidade.

Jardinagem Em Recipientes

  • Adubar plantas de contêiner em uma dosagem mais baixa do que a recomendação do rótulo, com mais frequência. As plantas em vasos precisam ser regadas com mais frequência do que o solo do jardim. Essa irrigação frequente liberta os nutrientes da zona radicular mais rapidamente, exigindo reabastecimento com mais frequência.

Jardinagem

  • Fertilize levemente suas ervas, cultivadas em vasos ou plantadas no solo, e evite fertilizantes ricos em nitrogênio. O nitrogênio promove o crescimento vegetativo, e fertilizantes em excesso fazem as plantas crescerem muito rapidamente, reduzindo assim a concentração de óleos nas folhas das ervas, subjugando o sabor.
Tags

Articles similaires

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Bouton retour en haut de la page
Fermer
Fermer